Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Just Mom

Uma autêntica salada russa (eu sei!), mas espero que se divirtam a ler.

Just Mom

Uma autêntica salada russa (eu sei!), mas espero que se divirtam a ler.

19
Fev18

Elas

Mom Sandra

Elas estão grandes... bem, dizer que estão grandes é pouco, porque elas estão enormes!

 

A Inês está já com 14 anos e tornou-se uma linda mulherzinha. Alta e espadaúda (como se costuma dizer), inteligente e boa aluna (como se quer), facilmente consegue o que pretende... mas tem de ser sempre do contra e até já se acha senhora do seu nariz e dona da verdade. Quando se engana (e se apercebe) é capaz de dizer que o que disse é o mesmo, ou quase o mesmo, do que o que não disse . Começa todas as respostas com não, mesmo que queira dizer sim, e consegue ficar uns bons segundos na alternância: sim.... não... sim.... não... sim.... não... até se decidir. Gosta de pedir e não tem problemas em partilhar, embora não o faça de caras. É bastante compreensiva e adora ajudar, mas odeia que lhe digam que tem algo para fazer - solta tantos "já vou!" quantas as vezes que lhe dizemos para fazer, até um dos adultos se fartar... (por coincidência, ou não, é sempre nessa altura que chegamos ao inferno - trocas de gritos e lista de coisas que lhe pedimos para fazer e que não fez... e ainda, ameaças de castigos. a cedência faz-se neste momento - para, minutos depois estarmos quase a sair do inferno). 

 

A Inês está uma verdadeira adolescente. Gosta de passar o fim-de-semana de pijama, a ver filmes ou séries e a comer o que lhe apetece quando lhe apetece mas também gosta de ir para casa das amigas, ou ao cinema, ou às compras. É bastante vaidosa e adoooooora o seu cabelo (aqui que ninguém nos ouve, já descobri que ameaçar que lhe vou cortar o cabelo é a solução para muitas discussões ). Tira-me muitas vezes do sério, mas cada vez me orgulho mais dela.

 

 

A Maria está com 8 anos (quase 9!) e ainda é uma menina. Passa o tempo todo a brincar, mesmo que seja só na sua mente. É baixa e giribita e bonita e inteligente. Gosta de jogar à bola e aos matraquilhos e sempre que consegue convencer a irmã a brincar, vai buscar as bonecas e os livros de férias e brincam às escolas. Adora ler... mais do que isso, adora dar-nos a conhecer o que de bom está a ler (e isso é... maravilhoso! é mágico ver como se deixa envolver nas histórias que lê e a alegria com que partilha esses momentos), sem se limitar a ler. É sensivel e está sempre pronta a ajudar o próximo. É envergonhada, mas gosta de se meter com quem tem mais confiança. Está sempre bem disposta e adora pregar partidas. Adora anúncios de TV (o seu preferido, agora, é aquele da frigideira que não queima - se não sabeis qual é, procurai no google, com certeza descobrem* ) e dá a sua opinião. Não é menina de birras e aceita, mesmo que contrariada, o que lhe dizem. É a fã Nº1 da irmã!

 

Neste último ano, a Maria tornou-se responsável, embora seja muito distraída. Deu aquele pulo de criança para menina. Sozinha, já se lembra de lavar os dentes depois do almoço, na escola; lembra-se que tem T.P.C. para fazer e fá-lo, sem ser preciso dizer-lhe; toma banho e limpa-se sozinha e escolhe a sua roupa (ainda não consegui que o fizesse sempre na noite anterior, mas é só uma questão de tempo). Já consegue apertar os atacadores (vitória bastante festejada!) e estuda tal e qual a irmã (ensinei-lhe como estudar, ela dispõe os livros e cadernos como a irmã). Faz as suas tarefas domésticas o melhor que consegue, sempre sem reclamar. 

 

 

Elas estão encaminhadas, penso eu. Cada uma tem o seu eu e ambas têm o meu eu. O meu trabalho ainda não está feito, eu sei, mas acho que já consegui transmitir o básico para que se tornem boas pessoas.

 

 

 

Elas estão a crescer, como se quer!

 

 

*não fiz qualquer pesquisa, por isso não sei qual como descobrir qual é... posso adiantar que derrete copos de plástico, sem que estes fiquem colados, faz caramelo e este escorrega fantásticamente para um recipiente, sem deixar residuos queimados, e outras coisas assim do género...



03
Fev18

Ser mãe é... plantar sementes

Mom Sandra

Um dia destes, em conversa com a Inês, o assunto alvo de discussão eram as profissões e a importância de cada uma delas.

Perante a pergunta:

Qual destas profissões é, para ti, mais importante, médico ou empregada de limpeza?"

 

A sua resposta foi imediata:

Médico, como é lógico! Os médicos salvam vidas!

 

Estando já à espera desta resposta, lancei-lhe outra questão:

Então e se não houver quem limpe o bloco operatório?!

Será que os médicos conseguem salvar tantas vidas, se ninguém limpar os hospitais?

 

Ela pensou durante uns momentos e disse-me que eu tinha razão e que ela nunca tinha pensado nisso. Era a esta conclusão que eu estava à espera que ela chegasse. Como queria que ela pensasse mais um pouco acerca deste tema, argumentei desdizendo-me.

Expliquei-lhe que todas as profissões têm a sua importância, mas que existem, de facto, profissões mais importantes do que outras. uma vez que, para as praticar é necessário um conhecimento especifico. 

 

(percebi a confusão a nascer,naquele cérebro, através do franzir da testa)

 

Antes que ela pudesse dizer alguma coisa, acrescentei que: um médico é, de facto, mais importante, uma vez que limpezas, melhor ou pior, todos as conseguimos fazer, ao passo que poucas são as pessoas que têm conhecimentos médicos. Mas que essa importância não podia ser motivo de superioridade, pois ambas são necessárias para que vivamos bem. Dei-lhe exemplos reais, de pessoas que, devido à sua profissão, se acham superiores aos outros e de outras que se tornam "invisiveis" quando têm uma bata vestida.

Concluí a conversa dizendo-lhe que todas as profissões são importantes, pois se não houvesse quem conduzisse transportes públicos, ou despejasse os lixos, ou controlasse o tráfego aéreo, ou fosse pedreiro, ou marceneiro, ou vidraceiro, ou juíz, ou polícia, a vida era o caos. 

 

 

 

A Inês tem 14 anos. É uma boa aluna, com média de 4. Anda no 9º ano e é dos poucos adolescentes que sabe, desde o Jardim Infantil, o que quer ser quando crescer.

É uma menina simpática, educada, mas tem um bocado a mania (não gosto que seja assim e chamo-lhe à atenção quando a vejo ter atitudes destas, mas, na verdade, tem motivos para isso - é bonita e inteligente - ) o que a torna um pouco fútil (infelizmente, vejo esta geração muito superficial, preocupam-se demasiado com os umbigos e é só isso que interessa - umbigos).

Não sei como vai ser quando crescer, mas se não aprender a ser um pouco mais humilde e a olhar para os outros como iguais, vai sofrer. O meu papel, como mãe, é ensinar-lhe estas duas coisas, e por isso tive esta conversa com ela. Quis que ela percebesse que todas as profissões têm o seu lugar na nossa vida e que sem muitas (que não as percebemos porque não as vemos, mas que existem) delas a vida seria quase impossível.

 

Vou continuar a insistir até perceber que a semente está plantada.. Depois só depende dela fazê-la crescer.



22
Dez15

Férias de Natal #1

Mom Sandra

Primeiro dia de férias escolares das miúdas.

A manhã passou-se calmamente, sem a habitual pressa matinal. Elas tomaram o pequeno-almoço como gostam, em frente à tv.

 

DSC_0006.jpg

 

Mais tarde fomos a pé, à aldeia mais próxima, fazer compras de Natal... O dia fantástico convidou-nos a dar um passeio pelo campo. Ouvimos os pássaros. Olhámos as flores. O vento soprava frio, mas o sol aqueceu-nos. Uma boa conjugação de um dia primaveril. O caminho fez-se com boas conversas e canções. E risos... tantos!

 

DSC_0007.jpg

 

Decidimos voltar para casa a pé e fomos por um outro caminho. A serra estava a ficar totalmente encoberta e o dia estava a começar a ficar mais frio...

 

DSC_0003.jpg

 

A meio deparámo-nos com esta surpresa:

 

DSC_0034.jpg

 

Quem adivinha o que é?

 

duas pistas:

1) é um fruto.

2) está fora de época (normalmente crescem no Verão).

 

 

(Hoje foi mais um dia de fortalecermos laços e de percebermos que a Natureza está a mudar... desconfiamos que para pior)

 



16
Dez15

Eu e tu!

Mom Sandra

crescer é... #1

 

mae e filha I.jpg

 

 

Para a minha Inês,

 

Cresceste!

Estás maior do que eu! (sim, eu sei que não é difícil... mas bolas!)

És uma bela menina que quer ser mulher, tal como todas as meninas da tua idade.

 

E cresceste.

Cresceste de um dia segundo para o outro (pelo menos assim me parece)...

Num momento uma menina (a minha menina) e, num piscar de olhos (juro que não foi mais do que isso!), uma mini-mulher.

 

Pediste uma festa, nos teus anos. "Claro que sim!", dissemos-te. Uns dias depois a tua atitude foi uma surpresa. Vindo do nada informaste-nos que, afinal já não querias a festa. tinhas estado a pensar e chegaste à conclusão que não ias poder convidar todas as amigas que querias, devido ao custo que isso implicava, como tal faríamos a festa em casa.

Abanei! Mesmo! Naquele momento vi o teu crescimento. E fiquei orgulhosa! Tanto!

A minha bela mini-mulher a revelar-se.

 

Uns dias depois, novo anúncio. Tinhas estado a falar com as tuas amigas, acerca da festa e, uma vez que na semana seguinte iam ter três testes, o melhor era adiar a festa para as férias de Natal. O fim-de-semana seria para estudar.

Abanei! (outra vez) e percebi o quanto cresceste. E fiquei orgulhosa! (outra vez)

Minha mini-mulher, estás tão bela!

 

Discutimos, aprendemos, brincamos e rimos. Será sempre assim, porque assim é a vida!

 

 

Meu amor,

Percebi, com estes teus momentos, e com outros (tantos) com que nos vais brindando todos os dias, que estamos no bom caminho... Eu e tu.

 

 

mae e filha II.jpg

 

 

Beijos da mãe

 

(fotos daqui e daqui)

 



23
Mai15

Carta aberta às minhas filhas (e a todas as filhas) que um dia se tornarão Mães

Mom Sandra

Queridas filhas,

 

Existem muitos projectos que, ao longo da vida, vocês irão querer concretizar, mesmo sem saberem muito bem no que se vão meter... A maternidade será um deles!

Um dia, quando decidirem que chegou a hora de serem mães, vão fazê-lo com a certeza de que não sabem tudo acerca da maternidade! 

Um dia, quando o vosso relógio biológico começar a dar horas, saberão apenas que desejam ser mães e não pensarão em mais nada, limitar-se-ão a romantizar a ideia de ter um filho nos braços e de lhe dar muito amor, sem perderem tempo a pensar como será, realmente, criar e educar um filho...

No dia em que descobrirem que estão grávidas, no dia em perceberem que o vosso desejo se tornou uma realidade, atingirão um nível de felicidade extrema, algo que até então nunca sentiram... Mas, ao mesmo tempo, serão assoladas por um medo aterrador do futuro...

Desde este primeiro instante em se apercebem que um pequeno ser se está a formar no vosso corpo, vão querer saber tudo o que vos é possível, acerca da gravidez e da maternidade. Comprarão mil e um livros acerca destes temas e irão devorá-los, quase de uma vez, só para saberem o que vos espera, verdadeiramente.

Mas, depois de serem mães e, com o passar do tempo, perceberão que, nem tudo vem escarrapachado nas toneladas de livros que adquiriram e leram... Por este motivo, hoje decidi dar-vos uma pequena ajuda e dizer-vos dez coisas que nós mães nunca contamos aos nossos filhos (nem sob tortura), acerca do que é, verdadeiramente, ser-se uma Mãe.

 

 

10 Coisas que as mães nunca contam aos seus filhos

 

1 - Fizeram-me chorar... muitas vezes - Chorei nos momentos em que descobri que estava grávida, e durante as gravidezes (culpa das malditas hormonas). Chorei quando nasceram. Chorei da primeira vez que vos peguei ao colo, que senti que eram minhas... Chorei de felicidade! Mas também chorei de medo. Chorei de preocupação. Chorei de inquietação. Chorei sempre que vocês choraram de tristeza. Chorei sempre que estiveram imensamente felizes. Chorei muito, mesmo que não o tenham visto ou percebido.

2 - Eu também queria a última fatia de bolo - Quando me olhavam com os vossos olhos enormes, a lamberem os vossos lábios e me pediam se podiam comer a última fatia, cortada em dois, com as vossas vozes doces e meigas, eu nunca tive coragem para vos dizer que não. A vossa felicidade, a comer aquela fatia encheu-me sempre a alma.

3 - Magoaram-me muitas vezes - No dia em que nasceram e todo o meu corpo se contorceu de dor, magoaram-me. Sempre que me puxaram o cabelo, magoaram-me. Sempre que me agarravam com a ponta dos vossos dedos, e eu sentia as vossas pequenas unhas afiadas (impossíveis de cortar), magoaram-me. Sempre que me mordiam os mamilos (mesmo antes de terem dentes), enquanto mamavam, magoaram-me. Sempre que se esticavam, dentro do meu ventre, e espetavam os vossos minúsculos pés nas minhas costelas, magoaram-me. Sempre que me responderam mal, magoaram-me. Sempre que me puseram de lado e não partilharam as vossas coisas comigo, magoaram-me.

4 - Tenho, tantas, mas tantas vezes, medo - Desde o momento em que vos concebi que faço tudo para vos proteger. Tornei-me numa mãe leoa, simplesmente por vossa causa. Tornei-me numa mulher que reclamou quando vos pegaram ao colo, simplesmente porque acho que ninguém vos consegue manter tão bem em segurança como eu. Das primeiras vezes que deram uns passos, estava mesmo atrás de vocês, para vos agarrar, quando caíssem. Fico acordada até vos ver chegar a casa, todas as vezes que saem à noite. Fui convosco a correr para o médico sempre que estiveram doentes.

5 - Eu sei que não sou perfeita (apesar de tudo fazer para o ser) - Sou a minha pior critica. Tenho consciência de todas as minhas falhas e odeio-me por isso. Sou extremamente dura comigo, no que a vocês diz respeito. Tento tanto ser a mãe perfeita e faço tudo para o conseguir, mas, porque sou humana, cometo muitas vezes erros e ainda estou a tentar perdoar-me por eles. Desejo, todos os dias, do fundo do meu coração, voltar atrás no tempo e fazer tudo de outra forma, mas não consigo... Por favor, sejam gentis comigo, eu apenas tento fazer o melhor que eu sei, da melhor maneira que sei.

6 - Passo horas a ver-os a dormir - Tive noites em que fiquei acordada pela noite dentro, a rezar para que adormecessem. Estava tão cansada e com tanto sono, que mal conseguia manter os olhos abertos, mas, mesmo assim, embalei-vos e cantei-vos uma canção enquanto rezava para que adormecessem. Quando finalmente adormeciam, o sono e cansaço cessavam, por alguns momentos, para que pudesse ficar a admirar-vos, enquanto o meu amor por vocês crescia de uma maneira que nunca imaginei, e me enchia o peito.

7 - Carreguei convosco durante mais de nove meses - Sempre que precisaram, eu fazia-o! Aprendi a andar convosco ao colo ao mesmo tempo que fazia limpezas, ao mesmo tempo que comia e ao mesmo tempo que dormia, pois, por vezes só assim é que vocês descansavam. Podia ter os braços cansados, ou dores nas costas, mas mesmo assim pegava-vos ao colo. Eu mimei-vos, amei-vos, beijei-vos e brinquei convosco no meu colo. Sempre se sentiram seguras no meu colo. Sempre se sentiram felizes no meu colo. Sabiam que eram amadas ao meu colo, por isso peguei-vos e carreguei-vos, sempre que quiseram e precisaram.

8 - O meu coração partiu-se sempre que vocês choraram - Não há som mais triste do que o vosso choro. Não há pior imagem do que ver as lágrimas a correrem nas vossas belas e perfeitas caras. Faço tudo o que está ao meu alcance para que parem de chorar e, quando não o consigo, o meu coração parte-se em milhões de pedaços.

9 - Vocês estão sempre em primeiro lugar - Já fiquei sem comer, sem tomar banho e sem dormir, porque precisaram de mim. Ponho sempre as vossas necessidades em primeiro lugar. Passo os dias a cuidar de vocês e, por vezes, no final do dia, estou tão cansada que me esqueço de mim.

10 - Faria tudo outra vez! - Ser mãe é um dos trabalhos mais duros e difíceis que alguém pode ter e, leva-me, muitas vezes, ao limite. Eu choro, sofro, tento e, às vezes erro, trabalho e aprendo. Mas é, ao mesmo tempo, o que me proporciona mais alegrias do que eu pensei ser possível, e o que me dá mais amor do que alguma vez pensei que se pudesse sentir. Apesar de toda a dor, sofrimento, noites mal dormidas e manhãs madrugadoras, não tenham dúvidas de que faria tudo outra vez, se tivesse de acontecer, porque vale a pena ser vossa mãe!

 

Amo-vos desde aqui até ao infinito e mais além!

 

Da vossa muito querida,

Mom Sandra         

 

 

 
Este texto foi escrito com base no texto 10 Things Your Mom Never Told You @ Confessions Of A Teenage Bride
 
 
 


Arrumação

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Just Mom @:

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Follow