Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Just Mom

Uma autêntica salada russa (eu sei!), mas espero que se divirtam a ler.

Just Mom

Uma autêntica salada russa (eu sei!), mas espero que se divirtam a ler.

18
Abr15

Falta-me tempo!!!

Mom Sandra

Ainda não consegui fazer nada de jeito no meu querido blog... Como é que isto é possível?!

 

Vocês - Pois não querida Mom. Nós aqui ansiosos, à espera que apareça um post teu nas Leituras, mas até agora nada... Porquê?

Mom - Porquê?! Olhem, porque o tempo não chega para eu fazer tudo o que quero! Este foi um sábado diferente, as miúdas não passaram a noite de ontem fora, por isso hoje, logo de manhã, não tive o meu momento zen... Passei o dia todo (até à cerca de 10 minutos) sem me conseguir concentrar... Tenho a mente feita num caco... Material para escrever posts tenho com fartura - só desafios tenho 3, fora as patetices e os acontecimentos e o postcrossing e mais qualquer coisa que não me lembro agora porque não me consigo concentrar - mas a falta de concentração não me traz as palavras certas ao meu brilhante cérebro, sem concentração o meu cérebro não desenvolve um esboço das palavras, estas não se juntam para se transformarem em frases, por isso não saem na forma de um texto... Basicamente falta-me tempo!!!

Os três desafios que tenho para responder são:

DESAFIO #1 - Muitas coisas que me fazem feliz

Na quarta-feira, Miss Ana desafiou-me a dizer tantas coisas que me fazem felizes, quantas a idade que tenho. Ora, eu estou com algumas dúvidas acerca de como é que devo responder a este desafio, é que eu tenho, neste momento, para aí três idades diferentes:

  1. A idade de nascimento - 38 anos;
  2. A idade que aparento - 23 anos (para aí...);
  3. A idade mental - normalmente anda pelos 15/16 anos...

Vou deixar este desafio a desenvolver (num outro post) enquanto não chego a qualquer conclusão... Ou então até alguém me vir socorrer. Help me!!!

 

DESAFIO #2 - Recordação especial

Ontem, logo pela manhã, o Pai Babado nomeou-me para outro desafio - Desafio Recordar é viver - que consiste em revivermos um dia da nossa infância em que a vontade de chegarmos mais rápido a casa foi enorme, ou em que a expectativa de que algo muito especial chegasse nos tivesse tirado o sono.

Este está quase, quase no fim. Ainda hoje deve ser publicado!

 

DESAFIO #3 - Verdade ou Consequência

Hoje foi a vez da Joana Veríssimo desafiar-me a descobrir as cinco mentiras que disse sobre ela. E eu vou descobri-las num ápice, não fosse eu uma Sherlock Holmes de primeira apanha! Este é mais um desafio com regras, mas tem um prémio! (e é por isso que estou desejosa de o fazer, é que eu adoro prémios e prendas e surpresas e tudo o mais que se possa embrulhar e oferecer).

O objectivo subentendido deste desafio é ajudar a divulgar blogues e ainda conhecer um pouco mais os bloggers que estão por trás dos blogs nomeados.

As regras são: 

  • Listar 25 factos (20 verdadeiros e 5 falsos) sobre mim;
  • Indicar 10 blogues para responder à TAG. Cada blogue tem 6 oportunidades para tentar adivinhar os 5 factos falsos.

E o prémio:

  • O blogue que acertar os 5 factos (nas 6 oportunidades) terá direito a um post no blogue que o indicou, mas, se errar, será o blogue indicado que terá de fazer um post sobre o blogue que o indicou.

É ou não é fixe?! Eu adoro desafios, mas fiquei completamente apaixonada por este. Gostei do facto de termos de descobrir as mentiras e gostei do facto de termos um prémio se as conseguirmos descobrir e gostei do facto de ter um "castigo" se falharmos os factos.

 

Vocês - Eh Mom! Essa cabeça tá mesmo exarcerbada! Puxa!

 Mom - Pois está! Trabalho não me falta...

 

 



13
Abr15

Cenas que não entendo... #3

Mom Sandra

Não consigo perceber porque é que há pais que "mandam" os filhos para as escolas doentes! Epá! Não consigo! É algo que me ultrapassa!

E não me venham com argumentos do tipo: se calhar não têm com quem os deixar, se calhar não podem faltar ao trabalho, se calhar acharam que o filho já estava bom, etc e tal...

 

No JI da Maria, os miúdos já foram com febre, com diarreia (pré-diagnosticada pelos pais), com vómitos (também pré-diagnosticado pelos pais), com tosse aguda, com dores de garganta... Estamos a falar de crianças com idades entre os 3 e os 6! Muitas nem sabem limpar o rabo, bolas!

Será que estes pais não percebem o impacto que tem nas crianças, fazerem cócó nas calças? (sim, porque com diarreia são muitos os que não têm tempo de chegar à sanita); ou vomitarem no meio da sala? (a maior parte delas nem sabe vomitar, é um impulso que não compreendem e têm tendencia para o engolir).

Será que não percebem que os filhos vão andar a pegar o virus, ou a virose ou o raio que o parta aos outros? Será que, se o argumento deles é algum dos anteriores, não pensam que, se calhar, o mesmo se passa com os outros?

 

Hoje estou com vontade de fazer isto a algumas mães/pais:

 

pior do que nós I.png

 

Eu sei que não sou cão, logo não posso fazer isto!...

Devido à impossibilidade de tornar o meu desejo de hoje concretizado, formulo outro: uma caganeira, daquela muito, mas muito liquida às mães/pais que mandaram os seus queridos e amados filhos para a escola ainda doentes - com diarreia e vómitos e a comer dieta!

 

Sorry about that! Mas hoje estou muito, mas muito irritada, mesmo!

 

 



10
Abr15

Um irmão é...

Mom Sandra

Sendo hoje o Dia do Irmão, quero aproveitar para falar acerca do que representa, para mim, ser/ter um irmão.

Just Mom Symbol jm.png

 

Quando eu e o maridão começámos a falar acerca de filhos, nunca dissemos que queríamos ter apenas um... Não sei se isso se deveu ao facto de ambos termos irmãos, mas, para nós, ter um único filho era algo que não fazia sentido algum.

 

Desde que soube que estava grávida da Maria que explico à Inês "o que é" ser (e ter) um irmão. Optei por nunca lhe mentir e procurei sempre explicar-lhe o que iria mudar, tanto no nosso relacionamento, como na dinâmica em casa. Expliquei-lhe que não ia deixar de estar com ela para passar a estar com a irmã, mas sim, que o tempo que antes passava só com ela teria de ser partilhado com a irmã.

 

Agora que falo escrevo acerca disto, penso que a palavra que mais vezes usei para definir o relacionamento entre os irmãos foi, de facto, partilhar! E isso elas sabem fazer muito bem. Apesar da diferença de idades entre as ambas - cerca de 5 anos e quase meio - posso dizer que elas não sabem viver uma sem a outra. Posso dizer, também, que quando se compra alguma coisa para uma delas e a outra, por um qualquer motivo não está presente, a que está pergunta sempre "e para a mana?". Posso ainda dizer que, são pouquíssimas as vezes que se zangam a sério - lá de vez em quando têm uns arrufos, porque uma quer brincar a isto e a outra àquilo, mas nada que gere gritos - e nunca, mas nunca mesmo!, se bateram.

 

É muito comum dizer-lhes que os irmãos são as pessoas mais próximas que temos e que mais devemos amar (desculpem-me mães e pais, mas na minha opinião - e sou mãe, filha e irmã - isto é um facto!), que devem ser os nossos melhores amigos, pois é com eles que crescemos, eles são as únicas pessoas que estão connosco na família com quem tecemos uma teia de cumplicidades, eles são os únicos que realmente vivem exactamente a mesma realidade que nós, são eles que nos conhecem desde que nascemos e que sabem todos os nossos segredos de infância, adolescência e idade adulta. Digo-lhes, também, muitas vezes que, o que vivemos entre irmãos é único, é irrepetível e que molda a nossa vida para sempre. 

 

My Sister & I

 

Um irmão é alguém que cresce connosco, alguém com quem partilhamos as mesmas raízes, a mesma história e a mesma memória, alguém tão próximo e de quem nos tornamos cúmplices, alguém com quem partilhamos as mesmas emoções - boas e más - a mesma alegria e a mesma tristeza.

Um irmão é alguém que é tão diferente, mas, ao mesmo tempo tão idêntico.

Um irmão é alguém com quem aprendemos o que é a partilha, a tolerância, a diversidade, a solidariedade, a contrariedade, mas também a reconciliação.

Um irmão é alguém que nos ensina o que é a cooperação e a divisão de tarefas e a entreajuda. É com o irmão que partilhamos as nossas aventuras e as nossas descobertas.

No fundo, um irmão é a nossa metade!

My Sister & I


Quem tem a felicidade de ter irmãos, conhece bem o significado desta pertença.