Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Just Mom

Uma autêntica salada russa (eu sei!), mas espero que se divirtam a ler.

Just Mom

Uma autêntica salada russa (eu sei!), mas espero que se divirtam a ler.

07
Dez16

Segredos&Dicas, by Mom Sandra

Mom Sandra

1 - Blogar com sucesso

 

  1. ligar o portátil
  2. abrir sapo.blogs
  3. escrever um post (mesmo que fique agendado)
  4. aprovar comentários
  5. responder aos comentários
  6. ir a Leituras
  7. ler os blogues favoritos
  8. comentar posts

 

 

 

 

Como realmente eu blogo

 

  1. ligo o portátil
  2. abro o sapo.blogs
  3. aprovo comentários
  4. respondo aos comentários
  5. vou a Leituras
  6. leio blogues favoritos
  7. comento posts
  8. leio comentários
  9. visito outros blogues
  10. começo um novo post
  11. tenho uma ideia para imagem
  12. começo a fazer imagem

.

.

.

.

.

por vezes dou por mim a ver um vídeo

perco a noção do tempo

.

.

.

o post fica nos rascunhos, por acabar... 

 

 

 



21
Nov16

Um pedaço de mim...

Mom Sandra

Como todas as boas mães deste mundo, também eu tenho, muitas vezes, dúvidas sobre se estarei, de facto, a ser uma boa mãe.

 

Sempre que sou assolada com estas dúvidas, recuo uns anos e recordo momentos da minha vida, no meu papel de filha. Recordo momentos, pelos quais passei e que hoje me ajudam a ser melhor.

 

 

 

Recordo-me que era ainda uma garota, a idade rondaria os cinco e, naquela noite, acordei de um pesadelo, bastante assustada. O quarto estava escuro e tive de esperar uns segundos para me habituar e conseguir ver. Levantei-me, desci as escadas do beliche, dirigi-me à cama deles e parei.

 

Os meus pequenos pés pisavam o tapete de lã, azul escuro, que estava à beira da cama. Deitada, do lado mais próximo da porta, lá estava ela. Dormia virada para mim, com as mãos na almofada e a roupa da cama subia e descia enquanto respirava profundamente.

 

Baixei-me e senti os joelhos pousarem na suavidade do tapete, e cruzei os pés. A lã aqueceu-me as pernas e o conforto anunciava o momento.

 

"Mãe." - chamei baixinho.

Sabia que assim não iria conseguir acorda-la, mas não queria acordar o meu pai... Tentei uma segunda vez, um pouco mais alto

"Mãe." - nada! O frio percorria-me o corpo. Tinha da acorda-la, ou ficaria ali, o resto da noite.

Levantei o braço e pousei a mão sobre o seu ombro que, tapado pela roupa, estava quente. Abanei-a ligeiramente enquanto a chamava

"Mãe!" - sem sucesso. O tempo passava e eu estava cada vez com mais sono e frio. Eu só queria dormir... O desespero começava a instalar-se. Abanei-a com as duas mãos e comecei a chama-la mais alto.

"Mããeee! Mããeee!" - as lágrimas começaram a cair-me pelo rosto. Os dentes batiam do frio e as mãos estavam geladas. - "Mããeee! Por favor, acorda!" - dizia entre soluços.

 

Não sei quanto tempo estive ao seu lado, a abana-la e a pedir-lhe que acordasse, mas sei que, naquele tempo, foi muito.

 

"O que é que queres?" - perguntou-me, quando finalmente acordou.

"Deixa-me dormir aqui ao teu lado."

"Aqui não cabes... Vai para a tua cama dormir!"

 

O meu coração partiu-se, com aquelas palavras... E eu fiquei ali, a chorar, enquanto a olhava.

 

"Vem-te deitar deste lado. Cabes aqui." - era o meu pai. Não sei há quanto tempo estaria acordado, mas na altura nem pensei nisso. Apenas sei que se chegou para o meio da cama, tapou-me com os lençóis e deixou-me dormir.



17
Nov16

Ontem

Mom Sandra

Ontem fiz-te a pergunta e tu respondeste-me com um beijo. Um longo e apaixonado beijo.

 

Ontem deixaste-me bilhetes de amor a dizer que não vinhas.

 

Ontem corrias para a minha janela, sempre que chegavas. E eu, saía da cama  só para te ver.

 

Ontem o telefone aproximava-nos. Passávamos horas na conversa, sem nenhum querer desligar.

 

Ontem nasceu o nosso amor.

 

 

Ontem foi há 25 anos.

 

 

Just Mom  by Mom Sandra

 



13
Nov16

As borboletas voam e nós temos semanas destas

Mom Sandra

Caríssimos,

Estive a pensar muito, e estou em vias de criar uma petição que leve à criação de uma lei, que defina a obrigatoriedade da apresentação de pré-avisos, sempre que alguma coisa esteja para acontecer.

 

Excluindo situações urgentes, o pré-aviso já é obrigatório quando sabemos que vamos faltar a uma consulta (avisar com 24h de antecedência ou pagar a consulta), ou a uma audiência no tribunal (corremos o risco de pena de prisão se não o fizermos), ou no trabalho (onde é que já se viu faltar sem avisar?), na escola (alunos e professores fazem-no), até as greves têm de ter um pré-aviso...

 

Ora, se a noção de pré-aviso está tão bem incutida no nosso dia-a-dia, porque é que ainda acontecem coisas que nos apanham de surpresa?*

 

Just Mom by Mom Sandra

 

A semana passada, por exemplo. Todos os dias a família foi brindada com algo inesperado. Ainda não estávamos refeitos do choque do dia anterior e já outro estava a crescer.

 

SEGUNDA-FEIRA

A chegada do frio.

Chegou uma manhã, sem avisar. Não me recordo se nos esquecemos de trancar a porta e ele entrou durante a noite, ou se, num qualquer outro dia caótico, nos enganámos e lhe demos uma chave cá de casa; mas a verdade é que acordámos na segunda-feira com o ar gelado. As janelas estavam todas embaciadas e a neblina não nos deixava ver o exterior. Nessa noite, os cobertores voltaram às camas, o aquecedor foi acordado do seu sono de Verão e a manta aconchegou-me, no sofá.

 

TERÇA-FEIRA

Pedro Dias entregou-se.

OK, esta não me chocou... Segui o mínimo desta novela. Sei que matou duas pessoas, esteve fugido cerca de um mês e depois que se entregou... (talvez o choque venha com a sentença)

 

QUARTA-FEIRA

Saber que o Trump ganhou.

Foi um choque mundial.

 

QUINTA-FEIRA

Ficámos sem carro.

Em plena IC19, quando o maridão vinha de Lisboa. Chegaram umas horas mais tarde, no reboque.

 

SEXTA-FEIRA

Just Mom by Mom Sandra

Um dos nossos queridos limoeiros não aguentou com o peso dos limões e partiu-se. Como já tinha acontecido o mesmo, no ano passado, decidimos cortá-lo um pouco abaixo da parte afectada.

 

 

 

*Sabes porquê, Mom Sandra? Porque as borboletas devem andar a esvoaçar, que nem umas malucas, algures lá para as florestas indonésias!