Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Just Mom

Uma autêntica salada russa (eu sei!), mas espero que se divirtam a ler.

Just Mom

Uma autêntica salada russa (eu sei!), mas espero que se divirtam a ler.

12
Nov16

Desapareceu sem anúncio

Mom Sandra

Num qualquer dia de Inverno que estivéssemos juntos, a cabine era sempre o nosso refugio. Fugíamos da chuva, do frio e dos pais, sempre que aprontávamos mais uma.

 

Naquele tempo, a cabine era daquelas todas fechadas, cuja porta abria em acordeão, para dentro, e não devia ter mais de um metro por um metro, no entanto e sem grande esforço, cabíamos lá os quatro (depois da técnica aprendida).

Eu e a sis sempre fomos magrinhas, as duas juntas não ocupávamos um espaço.

O louro também era um trinca-espinhas, mas era acima de tudo moldável. O rapaz parecia ser feito de borracha.

E depois havia o génio. O génio era baixo, gordo, coxo e usava óculos. Era, acima de tudo, um bom amigo, mas era hirto, ocupava o espaço dele sem que conseguíssemos demovê-lo.

 

A primeira vez que nos lembramos de ir para a cabine foi um fartote de rir. Não conseguimos caber os quatro, e as várias tentativas frustradas de o conseguirmos, acabavam sempre connosco agarrados à barriga a rir. Lembrámo-nos de ir para a cabine quando começou a chover, mas quando conseguimos, finalmente, entrar os quatro, percebemos que o objectivo tinha sido falhado. Nós estávamos completamente encharcados... Mas estávamos felizes. Enquanto esperávamos pelo fim da chuva, conversávamos animadamente, até que um de nós tem uma ideia luminosa* - ligar para os números que sabíamos de cor e brincar com quem atendesse.

 

A cabine foi a nossa casa na árvore durante muitos Invernos. 

Foi a cabine que nos apresentou à nossa judiaria preferida. No início éramos uns totós, as chamadas que fazíamos eram básicas, do tipo "está na linha?" / "sim" / "então saia que o comboio vai passar". Os números eram os que sabíamos ou que marcávamos aleatoriamente,

Com o passar das semanas tornámo-nos mais ariscos e desafiadores. Descobrimos as listas telefónicas e passámos a ligar para números escolhidos de acordo com os nomes mais estranhos. As chamadas passaram a ser mais longas. Procurávamos que a pessoa ficasse interessada no que dizíamos e só depois é que saía a patetice. O final era sempre o mesmo: desligar muito abruptamente e rir desmesuradamente.

 

Embora só fizéssemos esta judiaria no Inverno, os momentos de alegria que nos proporcionou levou-nos a criar uma ligação especial com a cabine. Naquele tempo, nós sabíamos que no Verão íamos para a praia e no Inverno para a cabine.

Até que chegou um dia, era Verão, em que apareceu um camião enorme, de caixa aberta, que parou à beira da estrada. Lá de dentro saíram alguns cinco homens, todos vestidos de igual. Nas traseiras do camião, dentro da caixa aberta, conseguíamos ver um ferro gigantesco e o que parecia ser um ovo. Assim que vi percebi o que era, já conhecia da cidade. Lá já havia há uns anos e por isso a nossa era ainda mais especial... Já não existia mais nenhuma igual a ela. Ainda de olhos postos no que estava a acontecer do outro lado da estrada avisei os outros de que iam mudar a cabine. Íamos "ter daquelas todas abertas, em que as pessoas apanham chuva se precisarem de telefonar."

 

Fomos embora e só voltámos no dia seguinte, para conhecermos a nova cabine. 

 

 

*em nossa defesa, alego que a culpa é do Bart Simpson, que na altura ligava para o bar do Moe a fazer o mesmo.



10 conversas

Queres conversar?

Arrumação

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Just Mom @:

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Follow